A UFFS completa um ano

Publicado em: 14 de setembro de 2010 08h09min / Atualizado em: 17 de março de 2017 15h03min

Texto do reitor da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Dilvo Ristoff, sobre o primeiro aniversário de criação da instituição.

Um ano após a sanção da lei de criação da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), podemos dizer com satisfação que ela é uma realidade: 42 cursos de graduação estão em funcionamento, os concursos para os primeiros três anos foram realizados, os professores e técnicos foram nomeados e os primeiros 2.000 estudantes estão estudando. A UFFS iniciou as suas aulas sem um único professor substituto e com um corpo docente constituído por 100% de mestres e doutores.

O impacto financeiro para 2011 será de 123 milhões de reais, devendo chegar, em 2012, quando o quadro de pessoal da UFFS terá cerca de 500 docentes e 660 técnicos, a 150 milhões.
No campus de Chapecó estão previstos 36.000m2 de obras, totalizando um investimento de cerca de 43 milhões. Nos campi de Realeza e Laranjeiras do Sul estão previstos 35.000m2 de obras, totalizando um investimento de cerca de 42 milhões. Serão construídos, nesta primeira etapa, em cada um dos campi, prédios para Laboratórios Didáticos (3.000 m2), blocos de Salas de Aula (5.000m2), Centro de Convenções e Biblioteca (6.000m2), Casa de Estudante (2.000m2), Prédio para Professores (1.500m2), e Restaurante Universitário (1.000m2). No campus de Realeza será construído ainda um Hospital Veterinário para atender ao curso de Medicina Veterinária (1.000m2).

Já em Erechim e Cerro Largo estão previstos 35.000m2 de obras, totalizando um investimento de cerca de 42 milhões. Serão construídos, nesta primeira etapa, em cada um dos campi, prédios para Laboratórios Didáticos (3.000 m2), blocos de Salas de Aula (5.000m2), Centro de Convenções e Biblioteca (6.000m2), Casa de Estudante (2.000m2), Prédio para Professores (1.500m2), e Restaurante Universitário (1.000m2). Em Cerro Largo a UFFS já adquiriu um antigo seminário onde atualmente funcionam as atividades da instituição e que futuramente será transformada em casa do estudante e em restaurante universitário. Somados à folha de pagamento, ao custeio e aos valores destinados a bolsas de vários tipos, isto significa uma injeção de recursos na economia da região, nos próximos dois anos, de 9,6 milhões de reais por mês.

São recursos expressivos! No entanto, a maior contribuição da UFFS não está nas obras e, sim, na criação de uma comunidade universitária composta por um quadro docente, técnico e discente, rigorosamente selecionado entre milhares de candidatos. Destaque-se que a UFFS é hoje um dos maiores celeiros de doutores do noroeste gaúcho, do oeste catarinense e do sudoeste do Paraná. Este quadro docente terá, sem dúvida, forte impacto no ensino, na pesquisa, na extensão e na vida de toda a região.

Em janeiro próximo a UFFS dará início ao seu primeiro curso de Especialização e, ao longo do ano de 2011, criará quatro mestrados e dois doutorados. A consolidação de uma UFFS forte na graduação e na pós-graduação, além de devolver à região muitos dos que foram estudar em outros lugares e não voltaram por falta de oportunidade, será importante fonte adicional de recursos para a pesquisa e a extensão, em áreas estratégicas ao desenvolvimento regional.