Programa de extensão atendeu 20 mil pessoas em ações de educação ambiental
Ações foram realizadas por acadêmicos em Erechim, Erval Grande, Gaurama, Ponte Preta e Viadutos com base na demanda dos municípios

Publicado em: 15 de janeiro de 2020 13h01min / Atualizado em: 16 de janeiro de 2020 11h01min

Pelo menos 20 mil pessoas atendidas: esse é o resultado de três anos de ações desenvolvidas por um programa de extensão da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Erechim, que buscou atender demandas da comunidade regional por meio de ações vinculadas à EngTech Jr., empresa júnior do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária. Além de Erechim, as atividades foram realizadas nos municípios de Erval Grande, Gaurama, Ponte Preta e Viadutos e contemplaram principalmente ações de educação ambiental. A equipe do programa realizou parcerias com, pelo menos, dez entidades.

Além de oportunizar a conscientização da população sobre os temas abordados, as atividades tiveram a função de aproximar os acadêmicos da Instituição das realidades de cada município. No total, entre bolsistas e voluntários, 25 alunos estiveram envolvidos.

Equipe do projeto: acadêmicos tiveram a oportunidade de conhecer mais a fundo as demandas da região

Para a professora coordenadora do programa, Débora Locatelli, as ações foram muito importantes para a formação profissional e humana dos alunos. “Fomos muito bem recebidos nos espaços em que atuamos – por exemplo, nas escolas”, conta. “A maioria delas solicitou o nosso retorno para outras atividades.”

As parcerias com as prefeituras e organizações também se mostraram efetivas. “Elas se mostraram satisfeitas e abertas para a realização de outras atividades. O curso, a empresa júnior e a Universidade puderam se aproximar ainda mais da comunidade regional de boa parte do Alto Uruguai gaúcho”, pontua a professora.

Entre as ações feitas por meio do programa, estão:

- Conscientização ambiental em feiras e eventos, tais como: semanas do Meio Ambiente de Erechim, Ecovolta Ciclística de Gaurama, Ação Cooperada da Fundação Aury Luiz Bodanese/Aurora, ExpoCija, entre outras;

- Oficinas socioambientais;

- Educação ambiental com as temáticas de resíduos sólidos (2017), saneamento básico (2018) e energias renováveis (2019) na escola Othelo Rosa, de Erechim, e nas escolas estadual e municipal de Ponte Preta;

- Elaboração do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS) da 1ª Semana Socioambiental de Gaurama, que também contemplou atividades de educação ambiental;

- Mostra “Consumo Consciente e Pegada Ecológica” realizada em mais de dez escolas de Ensino Médio em parceria com o Sicredi;

- Elaboração do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS) da Feira da Primavera, em Erval Grande.

Ações de educação ambiental em escolas públicas foram algumas das iniciativas

Para os acadêmicos, as atividades renderam ainda a participação em eventos científicos, por meio da apresentação de nove trabalhos oriundos do programa. Toda a experiência no programa é evidenciada pelos alunos como uma bagagem de conhecimentos bastante interessante.

É o caso da acadêmica Cristiane Renata Tessaro. “O programa desempenhou um papel importante no meu desenvolvimento como individuo, além de agregar valor a minha profissão. Percebi que o contato entre acadêmicos e a comunidade permitiu um crescimento mútuo de expectativas, compromisso e afeto, permitindo maior interação e fortalecimento dos laços de amizade, tolerância a diferentes ritmos e visões de mundo”, relata Cristiane. “Trabalhar com as três áreas que o programa concentrava, com escolas de diferentes municípios, com crianças de diferentes realidades e com temas que fazem parte do dia a dia, tanto na Universidade quanto fora dela, só melhora e engrandece o nosso desempenho como acadêmicos e cidadãos. Eu, como acadêmica,  sinto-me lisonjeada em aprender e dividir meu conhecimento adquirido na sala de aula e em contribuir com a região onde moro e estudo”, diz.

Atividades em feiras e outros eventos também foram realizadas

Sua colega Heloisa Dalla Rosa conta que iniciou no projeto como voluntária, auxiliando principalmente a parte de marketing e gestão. Em setembro de 2019 ela assumiu como bolsista. “Tive a oportunidade de exercer um papel de liderança ao mesmo tempo do trabalho em equipe. O projeto propiciou o nosso desenvolvimento individual em prol da comunidade em que as atividades foram realizadas”, conta a aluna.

“Além do crescimento e aprendizagem em equipe, foi possível aprender muito como profissional através das interações com a comunidade externa e o mercado de trabalho, assim como o convívio e a troca de experiências com os professores orientadores. Pude aprender muito e trocar experiências. Sou muito grata pela oportunidade que tive e, sempre que eu puder, vou dividir o conhecimento que adquiri”, fala Heloisa. “No decorrer desses três anos, passaram muitos bolsistas e também voluntários e todos obtiveram grandes experiências e agregaram conhecimento, aprendendo a realizar tanto trabalho em equipe quanto individual e conhecendo um pouco as relações com o mercado de trabalho.”

A acadêmica Dirce Moretto é outra aluna que atuou como bolsista na parte de marketing e gestão. “Tive a oportunidade de me dedicar a divulgar as atividades, desenvolver novos projetos e fortalecer o programa, sempre com o apoio dos professores orientadores”, destaca. “Ao interagir com a comunidade externa percebi como é importante cada ação que executamos. Isso tudo contribui com a troca de experiências e agrega interdisciplinaridade entre sala de aula e convivência profissional. Além disso, acredito que desafios só nos fortalecem e nos motivam ao sucesso tanto profissionalmente quanto pessoalmente. Como acadêmica, posso dizer que foi muito gratificante, pois contribuiu com o desenvolvimento de muitas habilidades, estimulou minha criatividade e aprendi a atuar de maneira comprometida”, finaliza Dirce.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS