Base Nacional Curricular para o ensino médio é tema de III Seminário de Formação Continuada realizado no Campus Cerro Largo
Referencial Gaúcho também foi abordado durante o Seminário.

Publicado em: 07 de dezembro de 2018 10h12min / Atualizado em: 07 de dezembro de 2018 10h12min

Nesta quinta-feira (06), a UFFS e profissionais da Educação debateram a Base Nacional Curricular (BNCC) e o Referencial Curricular Gaúcho (RCG), na sede do Heimatland, em Cerro Largo. O debate ocorreu durante o III Seminário Macromissioneiro de Formação Continuada de Profissionais da Educação, que trouxe para palestrar o professor da UFFS e coordenador geral do Ensino Fundamental do Ministério da Educação (MEC), no período de elaboração da BNCC, Elsio José Corá e a diretora do Departamento Pedagógico da Secretaria Estadual de Educação (SEDUC – RS), Sônia Maria Oliveira Rosa.

O professor Elsio explicou, durante palestra intitulada “A historicidade da BNCC e seu impacto no currículo da Educação Básica”, que a Base influencia todo o cotidiano dos professores e gestores de escola, porque acaba incidindo em todos os programas do governo para a Educação. Ainda, esclareceu que a Base, que já foi homologada em 2017, não se trata de alterar o currículo das escolas, mas de dar direcionamento para a estruturação dos currículos. “É uma referência, um instrumento para que as escolas elaborem seus currículos da educação básica”, afirmou. Segundo ele, deve-se levar em conta as diferentes realidades geográficas e sociais em que a escola está inserida.

Por isso, está sendo construído o RCG, que tem o objetivo de elaborar uma proposta curricular para as redes municipais, estadual e privada do território do Rio Grande do Sul trazendo equidade às escolas e estudantes e respeitando também a realidade do estado, como por exemplo, as fronteiras com outros países, o que incide na necessidade de oferecer aulas de língua espanhola, nas escolas dos municípios fronteiriços. “O Referencial não é currículo. Currículo é o que acontece na escola. Temos uma política nacional de base, mas o que temos construído em cada escola?”, questiona-se Sônia. Ela ainda acrescenta que o Referencial “não pode engessar, nem ser ortodoxo”. Sônia informa que a previsão é de que o Referencial seja homologado no dia 12 de dezembro deste ano.

O III Seminário é organizado a partir do Programa de Formação Continuada Macromissioneiro que atua nos processos formativos dos docentes da Educação Básica e é articulado centralmente pela UFFS tendo como parceiros outras instituições de Ensino Superior da região, Secretarias Municipais de Educação, Coordenadorias Regionais de Educação, representações sindicais dos professores e o Ministério Público do RS.

Galeria de Imagens: