O modelo de desenvolvimento brasileiro das primeiras décadas do século XXI: aportes para o debate

 

   

 O modelo de desenvolvimento brasileiro das primeiras décadas do século XXI: aportes para o debate

   

 

    Organizadores: Edemar Rotta, Herton Castigloni e Neusa Rossini.

 

  

       

 

  

 


Apresentação

O modelo de desenvolvimento implantado no Brasil a partir do início do século XXI situa-se em um contexto de crise do ideário neoliberal e retomada do pensamento desenvolvimentista. O ideário neoliberal, hegemônico no contexto mundial a partir da década de 1980, apresentou, no final dos anos 90, sinais claros de esgotamento: altas taxas de desemprego, ampliação das desigualdades, concentração de renda, baixos índices de crescimento econômico, entre outros. A construção de alternativas exigiu repensar as relações entre o mercado, o Estado e as diferentes organizações da sociedade civil. No caso brasileiro, a proposta que se tornou hegemônica retomou princípios desenvolvimentistas de uma ação mais incisiva do Estado, tanto como planejador e articulador, quanto como financiador e agente direto em processos econômicos e sociais com vistas ao desenvolvimento. Este novo modelo incita muitas reflexões para compreender suas características e repercussões nos cenários locais e regionais.

 

 


Dos organizadores

Edemar Rotta

Doutor em Serviço Social (PUCRS) e mestre em Sociologia (UFRGS). Professor do Programa de Mestrado em Desenvolvimento e Políticas Públicas da UFFS. Pesquisador na área de Desenvolvimento e Políticas Públicas.

 

Herton Castiglioni Lopes

Doutor em Economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), atualmente é professor adjunto da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS).

 

Neusa Rossini

Mestra em Desenvolvimento e Políticas Públicas pela Universidade Federal da Fronteira Sul - Campus Cerro Largo. Graduada em Ciências Contábeis (2007) e especialista em Gestão Empresarial (2009) pela Fundação Educacional Machado de Assis.