Atas das reuniões


Aos três dias do mês de dezembro de dois mil e dezenove, às treze horas e trinta minutos, na Sala de Reuniões do Gabinete do Reitor, na unidade Bom Pastor da UFFS, em Chapecó-SC, e nos demais campi por videoconferência, foi realizada a Sessão Ordinária da Comissão Própria de Avaliação, coordenada por Ana Maria Olivo. Participaram da sessão os seguintes membros da CPA - representantes da Reitoria: Cecília Inês Duz de Andrade (PI); Jasiel Silvânio Machado Gonçalves (PROPLAN); Ricardo Klein (SETI) e Rosana Lampugnani (PROEC); representantes do Campus Cerro Largo: Nessana Dartora, docente e Adenise Clerici, técnica-administrativa; representante do Campus Erechim: José Martins dos Santos, docente; representantes do Campus Laranjeiras do Sul: Ernesto Quast, docente; Marize Helena da Rosa Vendler, técnica-administrativa; Silvana Gaiba, discente; representantes da comunidade regional: Waldir Wessler, Lions Clube de Laranjeiras do Sul e Mauro Sérgio Provin da Silva, – Observatório Social de Laranjeiras do Sul;  representantes do Campus Realeza:  Antonio Marcos Myskiw, docente e Maxsuel Cesar Bonatto, técnico-administrativo; representante da comunidade externa pelo Campus Chapecó: Jussara Valentini, do Hospital Regional Oeste. Justificaram ausência: Lilian Wrzesinski Simon (PROAE); Renata Sebben, técnica-administrativa (Campus Erechim);  Antonio Marcos Correa Neri, docente; Emílio Wuerges, docente; Geomara Balsanello, técnica-administrativa e Luiza Danieli Moreira Nadaletti, discente (Campus Chapecó). Não compareceram e não justificaram: Reneo Prediger, docente; Sheila Oliveira, técnica-administrativa; Sinara München, docente; Ticiana Carla Southier Mesquita, discente; Dafne de Moraes Deparis, técnica-administrativa e Eduardo José Pedroso Pritsch, discente. Iniciando os trabalhos da tarde, a coordenadora agradeceu a presença de todos e deu boas-vindas aos novos colegas que aceitaram o desafio de fazerem parte da CPA. Após cada membro apresentar-se, a coordenadora apresentou brevemente o funcionamento do processo de avaliação institucional, elencou as responsabilidades e atribuições da CPA, bem como os desafios da comissão para os próximos anos. Abordou sobre a importância da participação da comunidade externa na CPA. Ressaltou a fala do professor Jeferson (Pró-Reitor de Graduação), de que a universidade é como se fosse um navio, onde a CPA faz a função de um leme que vai dar o direcionamento para a condução do navio. O professor Ernesto ressaltou que embora a previsão para o ano que vem é que tenhamos reuniões mensais, não necessariamente precisamos estar sempre com a equipe completa, uma vez que a comunidade externa tem outras demandas. Teremos outros momentos além das reuniões para compartilharmos os assuntos relacionados à avaliação institucional. Comentou sobre o papel dos coordenadores adjuntos que ficarão mais próximos dos campi e estarão em contato com as coordenações. Destacou que a instituição está amadurecendo ao colocar a CPA e a avaliação institucional no centro do processo para apoiar a gestão na tomada de decisões. Os resultados das autoavaliações levam ao desenvolvimento de planos institucionais visando a melhoria de aspectos fracos ou então direcionando os esforços institucionais de melhoria, no sentido de se ter uma instituição de referência. Destacou que não podemos nos contentar com um conceito menor do que 5 e se hoje a UFFS não atingiu esse patamar, é preciso buscá-lo, pois é o que sociedade espera da instituição. Também destacou a importância da comunidade externa em “ficar sempre puxando a nossa orelha” de forma que possamos trabalhar melhor para atender os anseios da comunidade. Mostrou-se satisfeito com essa nova composição da CPA, pois é possível ver o empenho e a seriedade da gestão, ao colocar a figura do coordenador geral da CPA em dedicação integral. Em seguida, a colega Adenise do Campus Cerro Largo, que participou do Encontro da CPAs em Santana do Livramento, compartilhou as experiências da CPA de outras universidades. Comentou sobre a UFRGS e a URGS, que são universidades de referência em termos de avaliação e que possuem setores específicos para cuidar da avaliação, inclusive com a participação da TI. Na UFRGS é feito um cruzamento sobre o consta no PDI e as possíveis soluções encaminhadas pela CPA para a gestão. Eles têm um suporte técnico que faz a aplicação das pesquisas, além dos NAUs- Núcleo de Avaliação das Unidades que auxiliam nos processos de avaliação institucional. As avaliações dos Egressos e os resultados do ENADE estão tendo destaque para trabalhar na melhoria do desempenho. As duas instituições têm suporte da TI para aplicar as pesquisas e tabular/cruzar os dados. A Unipampa usa um método mais parecido com a UFFS mas não tem um setor de apoio; as pesquisas são feitas via survey e as informações são tabuladas por planilhas, de forma “mais braçal mesmo”. Apresentou experiências de outras instituições também. Destacou que algumas universidades estão mais avançadas que a UFFS em termos de avaliação e outras menos. No caso da UFFS, destacou que é preciso a CPA estar mais próxima da Reitoria e da PROGRAD, pois é preciso conseguir gerar relatórios para fazer um melhor aproveitamento das informações. Em seguida, a coordenadora destacou que as pessoas que estão na CPA são pessoas diferenciadas, especiais, engajadas, empreendedoras nas suas instituições e desejam contribuir para suas comunidades ou nos ambientes onde atuam. Destacou que a UFFS é um bem público, de responsabilidade de todos nós. Por isso, é importante ter membros de toda sociedade participando da CPA, de forma a verificarem o que a UFFS está fazendo e quais são os resultados do nosso trabalho. Destacou que quando o MEC ou outros órgãos divulgam o ranking das melhores universidades, o nosso desejo é estar entre as melhores, pois isso significa que o recurso público está sendo bem aplicado. Cabe a todos nós, servidores ou que não, cada vez mais nos interessarmos pela correta aplicação dos recursos públicos, por isso é importante cuidar da UFFS com carinho, com esmero e com dedicação. No futuro, há um desejo que a instituição seja avaliada 360 graus, ou seja, em todos os pontos, inclusive pela comunidade externa, pois é importante saber como os resultados estão sendo vistos. Sobre os egressos, precisamos saber se eles estão conseguindo se colocar no mercado de trabalho e melhorar a sociedade onde atuam. Precisamos saber onde estamos falhando e onde precisamos melhorar nos processos de formação dos alunos. A Adenise destacou o problema dos baixos percentuais de avaliação e salientou a questão de atrelar o preenchimento da avaliação à matrícula, deixando o aluno escolher se quer participar ou não. Assim teríamos a estatística de quantos tem conhecimento sobre a avaliação e não querem preencher. A coordenadora informou sobre o chamado aberto na DICOM para fazer uma campanha, de forma a sensibilizar sobre a importância da avaliação, tanto a comunidade interna, como a comunidade externa. Falou sobre a Minuta do Planejamento da Avaliação, que é para ser feita coletivamente. Na sequência, repassou informações sobre o acesso ao Moodle aos novos membros e sobre a liberação de materiais para leitura. Destacou que precisamos definir um cronograma de reuniões ordinárias, mas com duração de uma hora e meia em média. Cecilia abordou sobre o processo de recredenciamento, ou seja, a renovação do ato de funcionamento (no ano que vem). No caso da UFFS, esse prazo está atrelado à Lei de criação, em 2020. Destacou que precisamos preparar a instituição para recebermos a Comissão Externa. Em outubro de 2019 a UFFS protocolou o processo e, nesse primeiro momento, foram alimentadas as informações, conforme o PDI. Vamos passar por diversas etapas e, nesse momento, devemos montar uma comissão via Portaria do Gabinete do Reitor para reunir todas as informações para o preenchimento do fomulário eletrônico. Essas informações são de toda a universidade, com participação de todas as Pró-Reitores e setores. As informações precisam estarem inseridas e enviadas à Comissão do INEP, para que no ato da visita os avaliadores externos tenham acesso a essas informações. Esse processo todo deve demorar dois anos, onde vamos apresentar todo trabalho desenvolvido durante esse dez anos. A CPA e as avaliações internas são fundamentais, precisamos prestar conta de todos os relatórios elaborados por todas as comissões, desde 2011, quando foi estabelecida a CPA. Os questionários que serão produzidos a partir de agora são vitais para a instituição, com o apontamento das nossas fragilidades e potencialidades. Nesse processo, a gestão precisa apoiar a CPA e os processos de autoavaliação institucional e cumprir o seu papel que é o de implantar as condições para que todos estejam satisfeitos na instituição, seja pedagogicamente, ou nas questões de infraestrutura. Destacou sobre a importância de se realizar seminários para sensibilizar a comunidade nesse momento importante em que a UFFS está passando pelo processo de recredenciamento. Precisamos almejar o conceito 5, pois estamos com nota 4. O professor Antônio Marcos, de Realeza sugeriu que fosse dada maior visibilidade da CPA. O Jasiel abordou sobre as questões fundamentais e a devolutiva dos resultados das pesquisas feitas pela CPA, de forma a provocar uma mudança da cultura de avaliação da UFFS. A Coordenadora abordou sobre as capacitações dos membros da CPA referente aos processos de avaliação institucional, que serão realizadas no próximo ano, para todos entendam essas linguagens. Cecilia falou sobre a Portaria onde todos os membros da CPA são informados nos sistemas do Ministério. Terminados os assuntos constantes na pauta do dia, a coordenadora agradeceu a presença de todos desejando um feliz natal e feliz ano e deu por encerrada a reunião.